Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GALERIA DOS GOESES ILUSTRES

Introspecção sobre a identidade Goesa, a sua origem, os seus limites e o seu contributo social, em Portugal, e no Mundo.

GALERIA DOS GOESES ILUSTRES

Introspecção sobre a identidade Goesa, a sua origem, os seus limites e o seu contributo social, em Portugal, e no Mundo.

424 CYPRIAN FERNANDES (Setembro, 1943)

49047620_1156987591135198_7492203434326622208_n.jp

 



Expoente maior do jornalismo queniano, Cyprian Fernandes nasceu em Eastleigh, um subúrbio pobre e segregado de Nairóbi, capital do então Quénia britânico.

Abandonada por um pai alcoólatra, a família de Cyprian Fernandes sobreviveu graças ao trabalho árduo e à muita fé da mãe, iletrada e formalmente pouco qualificada, que ainda hoje é lembrada com grande afeto. 

Rosa Maria Fernandes criou os seus seis filhos sozinha. 

Apesar de pobre e das grandes dificuldades, a família sempre nutriu um grande orgulho tanto na sua cristianidade, como na sua herança portuguesa.

Aos doze anos, Fernandes é preso inadvertidamente, durante uma incursão policial no bairro de Eastleigh, na sequência da Revolta dos Mau Mau.

Aos 13 resolve abandonar a escola, após ter sido injustamente acusado de ter roubado vinho do altar da igreja escolar. 

No início da sua juventude, Fernandes começa a trabalhar no grupo editorial Nation Group, que pertencia a Aga Khan, onde trabalha também Joe Rodrigues (421), que o apadrinha.

Neste grupo colabora nos jornais Daily Nation e Sunday Nation. 

Torna-se comentador politico, viajando pelo mundo com o Presidente Jomo Kenyatta e ou a sua comitiva, incluindo Joseph Zuzarte Morumbi, politico filho de pai Goês e mãe Masai.

Fernandes cobre os Jogos Olímpicos de Munique em 1972, onde o Quénia é uma grande potência desportiva. Testemunha o massacre perpetrado pela OLP contra a delegação israelita. 

Entrevista o ditador ugandês Idi Amin Dada, responsável pela expulsão do asiáticos do Uganda, categoria essa onde os goeses acabam por ser incluídos. 

Fernandes é provavelmente a primeira testemunha dos massacres ordenados pelo ditador. Porém as provas fotograficas são destruídas pelo chefe editorial Boaz Amori.

Em 1974, sentindo a sua vida em risco, opta por viver com a sua família na Austrália onde se encontra ainda hoje.

Cyprian Fernandes faz parte do rol de goeses que muito contribuiram para essa grande esperança que foi o Quénia independente dos anos 60, onde se incluía Pio Gama Pinto, Joseph Zuzarte Morumbi, Seraphino Antão, Joe Rodrigues, Fitz de Souza, entre tantos outros.

adaptação

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D