Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

GALERIA DOS GOESES ILUSTRES

INTROSPECÇÃO SOBRE A ORIGEM, O ALCANCE E OS LIMITES DA IDENTIDADE GOESA, E O SEU CONTRIBUTO HISTÓRICO E SOCIAL EM PORTUGAL E NO MUNDO

GALERIA DOS GOESES ILUSTRES

INTROSPECÇÃO SOBRE A ORIGEM, O ALCANCE E OS LIMITES DA IDENTIDADE GOESA, E O SEU CONTRIBUTO HISTÓRICO E SOCIAL EM PORTUGAL E NO MUNDO

237 FERNANDO TEIXEIRA CURADO RIBEIRO (25/05/1919)

17634880_737083073125654_8162022239645789317_n.jpg

 



Biografia 

Vida pessoal 
Uma das mais carismáticas figuras do cinema português, Curado Ribeiro nasceu em Lisboa, sendo filho de pai português e de mãe goesa, chamados Raúl Curado Ribeiro e Laura Curado Ribeiro. 

Devido a divergências pessoais entre o casal, por volta de 1930 a sua mãe sai de casa e deixa o filho aos cuidados do pai. 

O pai voltaria a casar, com uma mulher espanhola. O contacto com a madrasta daria ao jovem uma certa aprendizagem da música hispanófona (principalmente espanhola e argentina). 

Distanciado da mãe, Fernando nunca mais a quis ver e chega, inclusivé, a impedi-la de conhecer a neta, Rita. Laura morava na Praça da Figueira, em Lisboa, e morreu com 84 anos, curiosamente dois meses antes de Rita Ribeiro, na altura com 18 anos, a ter procurado e encontrado. 

Conhecido por ser mulherengo, tal como o seu pai, o seu casamento com a actriz Maria José termina em divórcio litigioso quando a filha ainda era pequena. Rita decide ficar com a mãe, pois Fernando já se encontrava acompanhado.

Estudos e carreira
Estudante de engenharia, começou a cantar em público nos serões académicos do Instituto Industrial de Lisboa. Em 1938 tornou-se vocalista dum conjunto intitulado Os Excêntricos do Ritmo, alcançando grande popularidade com a canção Olhos Negros. Em 1940 torna-se locutor da Emissora Nacional. Em 1945 mudar-se-ia para a Rádio Clube Português e em 1947 para a Rádio Renascença.

Devido à indisponibilidade de Igrejas Caeiro, é convidado por Arthur Duarte para substitui-lo no filme O Costa do Castelo (1943), interpretando Daniel, um jovem aristocrata que se faz passar por pobre motorista para alcançar o amor de Luisinha (Milú). Contracenando com atores já consagrados como António Silva e Maria Matos, Curado Ribeiro alcançou boas críticas pela sua prestação, lançando-o numa carreira cinematográfica onde desempenharia sobretudo papéis de galã, destacando-se A Menina da Rádio (1944), Os Vizinhos do Rés do Chão (1947) e O Leão da Estrela (1947).

Em 1949 Curado Ribeiro resolveu apoiar a candidatura do general Norton de Matos, o que lhe causaria alguns dissabores profissionais. Por esse motivo saiu do país, afastando-se das rádios nacionais. Foi para Angola, integrando a Rádio Clube do Huambo, em 1950, e para o Congo Belga, em 1951. Em 1952 estava na Bélgica para integrar a direção da Secção Ibérica da Radiodifusão Nacional Belga.

Ao deixar a Bélgica decidiu abraçar a carreira de ator. Com efeito, em 1954, regressa a Portugal e ingressa no elenco da peça de Alejandro Casona, É proibido suicidar-se na Primavera, no Teatro Avenida, sob a direção de Pedro Lemos. No mesmo ano filma Quando o Mar Galgou a Terra (1954), quase ao mesmo tempo que ingressa na Companhia do Teatro Apolo, onde participa em A Rosinha dos Limões (1954), ao lado de Milú e de Hermínia Silva, e em A Irmã São Suplício (1954), onde trabalha com Alves da Cunha e Raul Solnado.

Gradualmente, constrói um estatuto de sólido intérprete teatral, entrando em 1959 para os quadros da prestigiada Companhia de Teatro Rey-Colaço Robles Monteiro, sedada no Teatro Nacional D. Maria II; até 1963 representa quase duas dezenas de peças nesta companhia. Afasta-se do teatro e só voltará em 1972, com uma peça que ficará como um marco no seu percurso teatral: O Tartufo, de Moliére, sob a direção de Adolfo Marsillach, no Teatro Villaret. E volta à Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro, agora sedada no Teatro da Trindade.

Além do teatro e do cinema, Curado Ribeiro também uma assinalável carreira televisiva onde, para além de peças de teatro transmitidas para televisão, viria a figurar em algumas das primeiras produções de ficção dos anos 1980; designadamente as novelas Origens (1983), Palavras Cruzadas (1985) e A Banqueira do Povo (1993).

Na década de 1990 voltaria ao teatro com Passa Por Mim no Rossio (1991), sob a direção de Filipe La Féria, e A Ceia dos Cardeais (1992), ao lado de Ruy de Carvalho e Varela Silva.

Saúde e morte 
Os últimos meses da sua vida foram marcados por complicações de saúde: padecendo de doença prolongada e estando a fazer quimioterapia, Curado Ribeiro não se coibiu de alguns pequenos prazeres como continuar a fumar e comer certas coisas que lhe foram proibidas pelos médicos, o que acabou por fazer com que entrasse em coma. Falece em 1995, tendo estado em tratamentos no Hospital Pulido Valente ao lado do seu colega e amigo de vida, Varela Silva.

em Wikipédia
 
 
 
 
 
 
 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D