Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GALERIA DOS GOESES ILUSTRES

INTROSPECÇÃO SOBRE A ORIGEM, O ALCANCE E OS LIMITES DA IDENTIDADE GOESA, E O SEU CONTRIBUTO HISTÓRICO E SOCIAL EM PORTUGAL E NO MUNDO

GALERIA DOS GOESES ILUSTRES

INTROSPECÇÃO SOBRE A ORIGEM, O ALCANCE E OS LIMITES DA IDENTIDADE GOESA, E O SEU CONTRIBUTO HISTÓRICO E SOCIAL EM PORTUGAL E NO MUNDO

612 JASON REBELLO (29.03.69)

FB_IMG_1610311699614.jpg

 

 

Rebello nasceu em Carshalton, no Surrey. A família do seu pai é Goesa. Foi criado em Wandsworth, Londres, e terminou a sua formação escolar aos 19 anos na Guildhall School of Music and Drama. 

 

Rebello surge no final da década de 1980 como pianista de jazz influenciado por Herbie Hancock e McCoy Tyner. Aos 20 anos gravou três álbuns a solo, começando com o álbum de estreia A Clearer View (1990), que foi produzido por Wayne Shorter e o levou a aparecer na capa da revista The Wire. Também trabalhou com Jean Toussaint, Tommy Smith e Branford Marsalis, e apresentou Artrageous! na televisão BBC. 

 

Em 1998, Sting convidou Rebello para se juntar à sua banda após a morte de Kenny Kirkland. Fez turné com Sting nos seis anos seguintes e gravou três álbuns. Ele então tornou-se membro da banda de Jeff Beck, viajando por seis anos e gravando três álbuns. Durante esses anos com Sting e Beck, Rebello também trabalhou com Chaka Khan, Des'ree, Mica Paris, Carleen Anderson, Manu Katché, Phil Collins e Peter Gabriel.

 

Em maio de 2013, Rebello afirmou ao The Huffington Post que após doze anos de turnê como músico de sessão, estava-se restabelecendo como um artista solo, especificamente no jazz. Em 4 de novembro de 2013, lançou o álbum Anything But Look pela Lyte Records. Apresenta Will Downing, Omar, Joy Rose, Jacob Collier, Tim Garland e Pino Palladino. 

 

Rebello ensina música na sua alma mater, a Guildhall School of Music e a Bath Spa University. Além disso, compõe música para a biblioteca musical de produção baseada em Londres, Audio Network.

611 CÔNEGO CASTILHO DE NORONHA (21.09.1887)

FB_IMG_1610311588695.jpg

 

 

★Nascimento

 Neurá / Estado da Índia. 

 

★Data da morte 

1966. 

 

★Habilitações literárias 

Curso de Teologia.

 

★Profissão 

 Sacerdote católico. 

 

★Carreira Profissional 

 Cónego da Sé de Goa, desempenhou várias funções no topo da hierarquia da Diocese de Goa; 

.Vogal do Conselho de Administração da Navegação da Índia; 

.Vice-presidente do Instituto Vasco da Gama. 

 

★Perfil político-ideológico 

 Católico. 

 

★Carreira político-administrativa 

.Vogal do Conselho de Governo do Estado da Índia e da sua Secção Permanente.

 

★Vogal do Conselho de Instrução Pública.

 

★Deputado nas Legislaturas V, VI e VII. 

 

segundo app.parlamento.pt

...

FB_IMG_1610311500569.jpg

O Dr. Filomeno Francisco Xavier da Piedade de Sá, Capitão Médico

n.1859 Ilhas de Goa

Faleceu em serviço na Guiné Portuguesa

...

Loyola de Mascarenhas vindo de Goa, teve apenas o tempo de ter um filho caboverdiano, pois faleceu logo após, já o filho único, Francisco Xavier Mascarenhas, teve vinte e cinco filhos caboverdianos de cinco mulheres distintas.

610 LOURENÇO DE LOYOLA DA SILVA MASCARENHAS (1860)

FB_IMG_1610311161499.jpg

 

 

Nascido em Salsete, Goa.

 

Médico formado na Escola Médico-Cirúrgica de Goa e colocado em Cabo Verde em 04 de Setembro de 1878. Médico militar com a patente de Tenente.

 

Casou com a caboverdiana Ludovina da Graça Rezende, em 1880, da qual resultou um filho varão nascido na Praia, Francisco Xavier de Rezende Mascarenhas, de seu nome.

 

Faleceu três anos após o casamento.

609 IMELDA DIAS, a Voz de Goa (07/12/1928)

FB_IMG_1610311027583.jpg

 

 

Nasceu em Goa, e veio a ser conhecida como A Voz de Goa.

 

A sua atividade radiofónica coincide com o início da atividade na Índia Portuguesa, com o surgimento em Maio de 1946, da Rádio Goa posteriormente conhecida como Emissora de Goa.

 

A estação, pelo seu dinamismo e frescura atinge o sucesso também fora de portas, no subcontinente indiano, no médio oriente e na África oriental.

 

Com a invasão de Goa, a estação foi bombardeada, mas o quadro de pessoal da Emissora de Goa já se encontrava em Portugal.

 

Em Lisboa foi oferecido a Imelda um bom posto de trabalho na Emissora Nacional onde continuou as suas emissões. Porém Imelda optou por regressar com a família de cinco filhos para a sua terra natal.

 

Lá, o seu posto de trabalho foi devolvido. Mas o presente vinha envenenado. A Índia transferiu os poderosos transmissores portuguêses para o norte do país, alterou o nome da estação para All India Radio Panaji e proibiu a língua portuguesa em detrimento do Marathi. Inevitavelmente as audiências caíram.

 

Ainda assim Imelda continuou o seu trabalho. 

 

Faleceu em 2011

608 FILINTO ELÍSIO DE MENEZES (06/06/1924)

FB_IMG_1610310927920.jpg

 

 

Neto de Domingos Joaquim de Menezes, Filinto Elísio de Menezes foi Diretor do Banco Nacional Ultramarino, na Praia, Santiago, arquipélago de Cabo Verde. Mas não só. Foi também um percursor da nova literatura luso africana, de caráter independentista.

 

"Tendo chegado em 1948 a Angola, um ano após a criação do Jornal Cultura, onde viria a permanecer até 1975, o ensaísta constatou uma situação idêntica com a prevalecente em Cabo Verde, e afirmava que, a época, a literatura angolana era desconhecida. 

 

De acordo com Filinto Elísio de Menezes, a dominação de um povo ocorre no momento em que os seus dirigentes, na sua insignificância, e em número reduzido, não cultivam o gosto pelas belas-artes. [...]

 

Se considerarmos que os esforços tendentes a legitimação das literaturas dos países africanos de língua oficial portuguesa tiveram início no período de luta pela conquista da independência política e cultural África; e se atendermos para o facto de que os intelectuais nascidos nas ex-colónias portuguesas não estiveram alheios a este processo; e tendo em conta a cronologia dos factos [...], chegar-se-á a conclusão de que Filinto Elísio de Menezes antecede a Mário de Andrade na formulação de um discurso crítico que objectivava a autonomização e a legitimação das literaturas africanas de língua portuguesa, em geral, e da literatura angolana, em particular."

 

em http://jornalcultura.sapo.ao/letras/filinto-elisio-de-menezes-e-a-literatura-angolana/video

 

Na foto, Filinto Elísio entre colegas do BNU da Praia.

607 MONA BLÁSIA CABRAL 

FB_IMG_1610310703243.jpg

 

 

A mais velha de cinco irmãos, nasceu em Porvorim, Goa, a 03 de Fevereiro de 1923, e foi uma atriz, cantora e dançarina, uma das primeiras divas do então novo cinema indiano. Ficou celebrizada como Mohana Cabral.

 

O seu pai, Roberto Cabral, estava empregado no Sri Lanka, mas já década de 30, voltou para Goa. Daí, arranjou um emprego como caixa na Hindustan Construction Company, o que o levou conjuntamente com a sua esposa Lina e filhos, para Bombaim.

 

Mona Cabral fez os estudos em Porvorim, Bombaim e finalmente, em Puna.

 

Nesta cidade conseguiu um emprego de telefonista numa companhia telefónica, e que foi o seu ponto de partida para a sua carreira pois as ligações diretas não existiam a altura, e Mona enquanto tal, fazia a ligação entre os vários agentes empresariais e artistas do cinema, tendo dessa maneira feita amizade com eles.

 

A oportunidade surgiu em 1949 com o filme Sawan Sua Re, dirigido, produzido e protagonizado por Kishore Sawu. Logo de início, por motivos comerciais, o nome Mona é substituído por Mohana. Este é considerado o seu primeiro filme enquanto protagonista, porém Mona Cabral participou num breve trecho num outro filme de 1948 enquanto cantora, num dueto.

 

Mohana protagonizou mais de vinte filmes, incluindo números de canto e dança. Fez também peças de teatro e de Tiatr, nomeadamente em parceria com C.Álvares.

 

Mona Cabral foi casada duas vezes. Uma com o piloto Richard Dawning, numa paixão assolapada, do qual resultou o filho Mark. Porém, o piloto da Força Aérea Indiana morreu ano e meio após o enlace, numa queda de avião no Aeroporto de Calcutá.

 

O segundo casamento foi com o diretor geral da Hindustan Lever Company, John deFrates, mas a companhia opôs-se ao casamento por Mona ser "indiana". John demitiu-se e obteve um trabalho mas Nações Unidas.

 

Na segunda metade da década de 50, John foi colocado em Beirute, e Mona seguiu-o. Foi lá que nasceu Clare, a filha do casal. Durante esse período, Mona aprendeu árabe, tendo produzido programas de dança para a TV libanesa.

 

Depois de 25 anos em Beirute, John foi colocado em Viena, e após a sua reforma, a família foi viver para França.

 

Durante este tempo todo, Mona sempre visitou regularmente Goa, e também a Índia, onde participava em programas televisivos.

 

Em 1998 John faleceu em França, onde vive até hoje Clare. Mark vive na Califórnia. 

 

Mona Blásia Cabral faleceu em França a 11 de Setembro de 1990.

 

Filmografia

 

1948 Aag

1949 Sawan Aya Re 

1949 Patanga

1949 Char Din

1950 Rimjhim

1951 Magina

1951 Da

1951 Sagai

1951 Sandra

1951 Nadaan

1952 Saloni

1952 Saqi

1952 Ashiana

1953 Cham Chama Chama

1953 Shole

1954 Dost

1954 Shart

1954 Danka

1955 Marine Drive

1955 Insaniyat

1955 Teerandaz

1958 Suwarma Sundari

Pág. 2/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D