Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GALERIA DOS GOESES ILUSTRES

INTROSPECÇÃO SOBRE A ORIGEM, O ALCANCE E OS LIMITES DA IDENTIDADE GOESA, E O SEU CONTRIBUTO HISTÓRICO E SOCIAL EM PORTUGAL E NO MUNDO

GALERIA DOS GOESES ILUSTRES

INTROSPECÇÃO SOBRE A ORIGEM, O ALCANCE E OS LIMITES DA IDENTIDADE GOESA, E O SEU CONTRIBUTO HISTÓRICO E SOCIAL EM PORTUGAL E NO MUNDO

510 ALBERTO FELICIANO MARQUES PEREIRA JÚNIOR, Capitão de Artilharia

FB_IMG_1569882423098.jpg

De ascendência portuguesa europeia, era irmão da notável pianista Nina Marques Pereira e filho do General Brigado do Exército da Índia Alberto Feliciano Marques Pereira.

510 ALBERTO FELICIANO MARQUES PEREIRA JÚNIOR, Capitão de Artilharia

"Alberto Feliciano Marques Pereira Júnior nasceu a 18 de agosto de 1908 em Goa, primeiro filho de Alberto Feliciano Marques Pereira e de Emília da Conceição Prazeres.

Seu Pai, Alberto Feliciano Marques Pereira (1866-1936) nasce e é batizado em Macau mas aos 4 anos vai para Lisboa onde faz os seus estudos até à entrada na Escola do Exército. Em 1886, segue para Angola como ajudante de campo do Governador-geral, Guilherme Capelo. Em 1893, é nomeado vice-cônsul de Portugal no estado independente do Congo. Em finais de 1893, é transferido para a Índia, como professor de língua e literatura inglesa do Liceu Nacional de Nova Goa. Em 1919 é nomeado professor do Liceu Central de Lourenço Marques (atual Maputo), Moçambique. Regressa à metrópole em 1927, doente e incapacitado, vindo a falecer em 1936, aos 70 anos, com o posto de General.

A partir da data de seu nascimento, em 1908, até ao regresso da família à metrópole, em 1927, Alberto Feliciano Marques Pereira Júnior acompanha o itinerário de vida de seu pai. Nascido em Goa, ali permanece até 1919, quando o pai vai para Lourenço Marques. Ali faz os seus estudos e passa a sua adolescência, entre os 11 e os 19 anos. Trabalha nos Correios de Moçambique, para ajudar o orçamento familiar, e assim aprofunda o contacto com a terra africana que virá sempre procurar reviver no futuro, alargando-o às terras onde ele próprio nasceu ou viveram os seus antepassados: à Índia que nunca esqueceu; a Macau, onde nasceu seu Pai; a S. Tomé e Príncipe e a Timor.

No regresso da família a Lisboa, Alberto Feliciano Marques Pereira Júnior inicia os seus estudos superiores. Frequenta o Curso Geral de Engenharia no Instituto Superior Técnico, o Curso da Arma de Artilharia na Escola do Exército, o Curso de Professor de Educação Física, no Instituto Nacional de Educação Física, e o Curso da Escola Superior Colonial, todos concluindo com êxito.

No decurso da sua carreira militar, foi comandante do corpo expedicionário que foi destacado para os Açores durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1946, é nomeado Professor de Educação Física na Escola Superior Colonial - posteriormente designada como Instituto de Estudos Ultramarinos e, ainda, Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (atual ISCSP) - tendo-lhe sido autorizada a acumulação de funções com a docência no Instituto Nacional de Educação Física (INEF, depois ISEF e atual Faculdade de Motricidade Humana).

Em maio de 1953, foi averbada a sua passagem à situação de reserva.

Entre 1942 e 1966, publica inúmeros trabalhos resultantes da sua atividade profissional, como professor de Educação Física, matéria em cujo desenvolvimento - em conjunto com seu irmão Celestino Marques Pereira - foi pioneiro em Portugal.

Ministra múltiplas ações de formação, dá e participa em conferências e organiza iniciativas para a promoção do estudo e da prática da Educação Física, da Ginástica e do Campismo, em Portugal e no estrangeiro.

Esta atividade profissional, inscrita na tradição do serviço público na sua mais lata aceção, leva-o também às partes do Mundo onde os portugueses tinham chegado e ficado, tal como acontecera com os seus antepassados.

As suas múltiplas viagens destinavam-se a cumprir calendários profissionais de formação mas também a conhecer e a relatar e registar o que via, através das suas fotografias e dos seus livros.

Fotógrafo notável, sabia reunir à precisão da técnica a faculdade de surpreender a realidade implícita do observado.

Foi assim que nasceu a maioria dos livros que publicou e os que deixou inacabados: fotografava, colhia depoimentos, estudava a terra e as gentes e elaborava e compunha os seus textos.

Para além da sua atividade profissional como docente em Educação Física, da sua investigação antropológica e cultural, Alberto Feliciano Marques Pereira Júnior era alguém que via na graça da Fé (Católica) uma razão de vida.

Inscrevem-se nesta sua faceta, obras como «Por Terras de Cristo», «Caminhos da Terra Santa» e as que deixou inacabadas sobre o culto mariano no Mundo e a História da Capela de Nossa Senhora da Saúde, em Lisboa.

Também no seu livro «Arte e Natureza em Moçambique», publicado em 1966, no que deixou inacabado sobre S. Tomé e Príncipe ou naqueles que apenas projetou sobre Timor e Macau (e do qual restou um valioso espólio fotográfico) se revela um particular cuidado no tratamento do tema religioso.

Na sequência da perda das possessões portuguesas na Índia e da sua bem-amada terra-natal, Goa, e marcado pela revolta pessoal, publica a obra «Índia Portuguesa - Penhores do seu resgate».

Poeta, como seu pai, publicou igualmente alguma poesia.

Alberto Feliciano Marques Pereira Júnior faleceu prematuramente, com 61 anos, em finais de 1969."

em http://arquivo.presidencia.pt/details?id=36525. 

509 SÓNIA SHIRSAT (1980)

FB_IMG_1569882287367.jpg

 

Nascida em Pondá, Goa, filha de mãe goesa católica e pai goês hindu, Sónia é conhecida pelo trabalho que tem feito em Goa e no sub-continente em prol do Fado, género musical vindo de Portugal.

Formada em Direito, Sónia partilhou o ensino das leis, com uma carreira no mundo da música.

Capaz de cantar em treze línguas diferentes, do português ao concani, e em diversos estilos musicais, foi no gênero Fado que Sónia se tem destacado no panorama goês e internacional ultimamente.

Teve como principais influências, o gosto herdado de sua mãe, e os ensinamentos do mestre da guitarra portuguesa António Chainho.

Colaborou com muitas estrelas fadistas, desde o citado Mestre Chaínho, a Katia Guerreiro, Maria Ana Bobone, Raquel Tavares, Rao Kyao, Carlos do Carmo, Argentina Santos, Miguel Capucho ou Ricardo Rocha.

Actuou em Goa, mas também em Damão, Bangalore, Mumbai, Delhi, Calcutá, Luxemburgo, Macau, Kuwait, França, Singapura, Hawai, Nepal, Canadá, Londres, Dubai, Muscate, Lisboa e Qatar.

Também atuou na Califórnia, Toronto, Paris, Porto, Oeiras, Seul e em programas televisivos em Portugal.

Sónia Shirsat tem promovido o ensino do Fado em Goa, e por lá inaugurou recentemente um estabelecimento exclusivo para o canto do Fado, de nome Madragoa.

508 ÂNGELO DA FONSECA (02/12/1902)

FB_IMG_1569882013201.jpg

 

Ângelo da Fonseca foi um pintor multifacetado de Goa

Nasceu na Ilha de Santo Estevão, de uma família terratenente muito influente. O seu pai, Luís Bonaparte Alboim da Fonseca era um grande adepto e partidário de Portugal e do Estado Português da Índia.

Após formação inicial, Ângelo da Fonseca parte para Bombaim para estudar Medicina no reputado Grant Medical College, mas cedo trocou-o pela J.J.School of Art.

Em 1930, julgando-a demasiado britânica e ocidentalizada, parte para Calcutá e adere a Escola Shantiniketam onde tem Rabinadrath Tagore como guru e Nandalai Bose como professor.

Em 1931, volta a Goa.

Sendo cristão, muitos dos seus quadros começaram a expressar elementos dessa religião. Fonseca foi responsável pelo surgimento na Índia do movimento Christian Cultural Renaissance.

Fonseca veio a demonstrar uma enorme veia produtiva, tendo executado mais de 1000 obras de pintura com todo o tipo de materiais e em todo o tipo de suporte, do vitral á tela, passando pelo gesso e murais, tanto em Goa como na Índia, ou na Alemanha, por exemplo.

Contrariamente ao seu pai, Fonseca nutria nítida antipatia pelo Estado Português da Índia, e também pelo regime do Estado Novo. Por seu turno, o regime e a igreja local de Santo Estevão mostraram o seu descontentamento com a indianização das suas pinturas, onde, por exemplo, pintara uma Virgem Maria em sari.

Incompatibilizado, Fonseca opta por sair de Goa e estabelce-se em Puna onde se casou em 1951, foi pai em 1957, e faleceu dez anos depois.

adaptado

507 NOEL GAMA

70714209_1340694966097792_5800724989653024768_n.jp



Talvez o primeiro Damanense aqui retratado, pois Mário de Miranda tendo nascido em Damão, a sua família ancestral é de Goa.

Noel Gama é um cantor, compositor e multi-instrumentista nascido no antigo enclave português, sendo de ascendência damanense e portuguêsa.

Além de compor músicas tanto em inglês como em português, a sua língua materna, Noel especializou-se na interpretação de temas populares portugueses tradicionais, e de cantores pop como Tony Carreira, sendo um grande fã da música portuguesa em geral, e um farol dela no sub continente indiano.

Em 2016, Noel venceu o "U.K. Songwriting Contest 2016” com a sua canção “Blind Vision”, na categoria Adulto Contemporâneo. Anteriormente em 2007, venceu ainda no Reino Unido, o prémio "Writer Of The Year", atribuído pelo The Writers Bureau.

Noel tem também várias parcerias de composição com músicos americanos de Los Angeles e Nova Iorque.

Mestre em Administração Pública e de Negócios, Noel trabalha ainda em Recursos Humanos numa "major" indiana, e mora em Damão, numa vila do século XVI, que diz, muito o inspirar.

506 RUI LEÃO, arquiteto

70182248_1337984919702130_2389672880976691200_o.jp

Rui Leão é um jovem arquiteto de origem goesa estabelecido em Macau

Com uma já importante carreira profissional, foi selecionado para a exposição «100 Arquitectos do Ano 2017», inaugurada em Seul, a 5 de setembro.

Um ano antes, na cidade do Rio de Janeiro foi eleito Presidente do Conselho dos Arquitectos de Língua Portuguesa (CIALP), por um período de três anos.

Em 2012, o seu projeto com a sua associada Carlotta Bruni (LBA Architecture & Planning) de uma sala de leitura da Escola Portuguesa de Macau ganhou o prémio UNESCO.

Rui Leão é vice presidente da Associação dos Arquitectos de Macau e Membro do Comité de Planeamento Urbano da Região Autónoma Especial de Macau.

Leão ganhou também outros prêmios, incluindo o «Arcádia Gold Medal for Architecture».

Os seus projetos encontram-se plasmados um pouco por toda a região Ásia-Pacífico.

505 TOPONÍMIA GOESA EM PORTUGAL

69852804_1336846499815972_3470107204621697024_n (1



Rua Abade Faria»»» Lisboa, Porto, Algueirão
Rua Dr.Silva Teles»»» Lisboa
Rua Agostinho Lourenço»»»Lisboa
Rua Professor Luís da Cunha Gonçalves»»» Lisboa
Largo Monsenhor Dalgado»»» Lisboa
Avenida Dr. Francisco Luís Gomes»»» Lisboa
Avenida Prof. Gama Pinto»»» Lisboa
Rua Prof. Gama Pinto»»» Odivelas, Queluz
Rua Gama Pinto»»» Corroios, Quinta do Conde
Rua Maluda»»» Lisboa, Paço de Arcos, São Domingos de Rana, Entroncamento, Ponte de Sor
Avenida Maluda»»» Amadora
Avenida Dr. Francisco Luís Gomes»»» Lisboa
Rua Prof. Aires de Sousa»»» Lisboa
R. Pascoal de Melo»»» Lisboa, Amadora
Rua Dr. Pascoal de Melo»»» Ansião
Praça Sócrates da Costa»»» Lisboa
Rua Blasco Hugo Fernandes»»» Lisboa, Beja
Rua Bernardo Francisco da Costa»»» Almada
Largo Primeiro-Tenente João Rodrigues de Moura»»» Lisboa
Rua Dr. Camilo Dionísio Álvares»»» Parede
Rua Curado Ribeiro*»»» Sobreda, Corroios, Vialonga
Rua Fernando Curado Ribeiro*»»» Algés, Lisboa, Vila Franca de Xira
Praça Curado Ribeiro*»»» Amadora
Rua Nina Marques Pereira»»» Lisboa
Rua Álvaro de Santa Rita Vaz»»» Lisboa
Praça Aniceto do Rosário»»» Lisboa
Rua Aniceto do Rosário»»» Amadora, Almeirim, Cascais, Pias, Portimão,Coimbra
Rua Dr. Roberto Frias»»» Porto
Rua Venâncio Rodrigues»»» Coimbra
Rua Isidoro Baptista»»» Coimbra
Rua Dr. Alfredo da Costa»»» Sintra
Rua Prof. Dr. Alfredo da Costa»»» Queluz
Rua Alfredo da Costa»»» Odivelas
Rua de Adeodato Barreto»»» Aljustrel
Rua Francisco Xavier de Melo»»» Torres Vedras
Rua Otelo Saraiva de Carvalho**»»» Palmela, Samora Correia, Grândola

Rua Dadrá»»» Alhos Vedros, Santo André, Castelo Branco,
Rua Nagar Aveli»»» Santo André
Rua de Damão»»» Santo André, Porto, Guimarães, São Mamede de Infesta, Caxias, Costa de Caparica, Alverca do Ribatejo, Pinhal Novo, Montijo, Barreiro, Palmela, Santa Iria de Azóia
Praça Damão»»» Lisboa
Rua de Diu»»» Santo André, São Mamede de Infesta, Caxias, São João dos Montes, Santo António da Charneca, Alverca do Ribatejo, Pinhal Novo, Vale da Amoreira, Baixa da Banheira, Palmela
Rua Diu»»» Costa de Caparica, Braga, Quinta do Conde, Baixa da Banheira, Parede, Alhos Vedros, Estoril, Caxias, Loures
Praça Diu»»» Lisboa, Caxias
Rua de Pangim»»» Prior Velho, Santo André, Algueirão
Avenida Pangim»»» Reboleira
Praceta Pangim»»» Queluz
Praceta Goa»»» Alverca do Ribatejo, Olival Basto, Costa de Caparica, Amadora, Algueirão,
Largo de Goa»»» Pinhal Novo
Rua de Goa»»» Pinhal Novo, Montijo, Santo André, Baixa da Banheira, Linda-a-Velha
Praça de G oa»»» Palmela, Lísboa
Avenida da Índia»»» Lisboa, Porto
Rua da Índia»»» Lisboa, São João dos Montes, Santiago do Cacém
Beco da Índia aos Anjos»»» Lisboa
Beco da Índia Portuguesa»»» Ladoeiro (Idanha-A-Nova)
Rua Índia Portuguesa»»» Algueirão, Almeirim, Alhandra, Ermesinde, Ladoeiro (Idanha-A-Nova)
Praça Índia Portuguesa»»» Coimbra
Praceta Índia Portuguesa»»» Algueirão
Rua Estado da Índia»»» Sacavém, Beja, Vila Nova de Gaia, Ovar, Benguela (Angola)
Travessa Estado da Índia»»» Loures



* Curado Ribeiro é lisboeta, de ascendência goesa por parte de mãe.
** Otelo S. de Carvalho é laurentino, com ascendência goesa materna.

A lista é actualizável


EDIFÍCIOS E LOCAIS COM GOA NA SUA HISTÓRIA

Instituto de Oftalmologia Doutor Gama Pinto»»» Lísboa

Maternidade Alfredo da Costa»»» Lisboa

Fundação/Fundo Documental Soares Rebelo»»» Alcobaça

Estádio Agostinho Lourenço»»» Bairro Padre Cruz (Lisboa)

Arquiteto Charles Correa»»» Edifício Fundação Champalimaud, Algés

Arquiteto Pedro de Ávila: Pavilhão de Exposições da Tapada da Ajuda, Creche Vitor Manuel (Alcântara), Escola Industrial Marquês de Pombal (Alcântara), Palácio Condes de Folgosa (Rua da Palma), Palácio dos Duques de Loulé (Cascais), Capela de Mondariz (Galiza), Challet D.Maria Pia (remodelação), entre outros entretanto desaparecidos.

Fragata Real D. Fernando E Glória (reconstruída)»»» Cacilhas

Chafariz de Cacilhas (réplica)»»» Cacilhas

Cemitério da Conchada/Mausoléu dos Filhos da Índia»»» Coimbra

Bairro da Madragoa (hipótese histórica)»»»Lisboa
 
 
 
 
 

504 O «DHIRIO»

 

 

69995262_1332723090228313_3546876785805230080_n (1

 

A tourada ou "chega de bois", enquanto forma de luta envolvendo touros, é uma atividade desportiva muito popular em Goa, e uma prática ancestral ligada às comunidades agrárias católicas.

Em concani, é chamada de Dhirio.

Aqui, dois touros brigam entre si, geralmente numa área aberta. Às vezes, a tourada termina em 30 minutos, outras dura até 1 hora, dependendo da capacidade de luta dos touros.

A luta ocorre a qualquer momento, com base no desafio feito por ambos os proprietários dos touros.

Um treino diário é dado aos touros, levando-os para longas caminhadas, o que os mantêm em forma e prontos para a luta.

Estes touros de luta são mantidos separados de outros touros normais.

As lutas de touros são famosas no sul de Goa, e os goeses são loucos por assistirem a elas, em assistências que chegam a alguns milhares de pessoas.

Atualmente, esta manifestação cultural foi ilegalizada pelo governo indiano a revelia dos goeses, mas não totalmente banida, por continuar na clandestinidade.

A discussão pública mantém-se, com a vontade da comunidade católica em manter esta ancestral atividade à luz do dia.

GOESES 3

Capitão-Médico Luís Caetano de Santana Álvares (278)

 

Capitão-Médico Luís Caetano de Santana Álvares (278)

Capitão-Médico Luís Caetano de Santana Álvares (278)

 

Luís Gonzaga da Costa Álvares, irmão de Carlos da Costa Álvares.  Fotógrafo «Baptista & Vasquez», Rua D.Pedro V, 2, Lisboa.

Luís Gonzaga da Costa Álvares, irmão de Carlos da Costa Álvares.
Fotógrafo «Baptista & Vasquez», Rua D.Pedro V, 2, Lisboa.

 

Carlos da Costa Álvares, filho do Dr. José Camilo Dionísio Álvares e de Joana Mazoni da Costa, na Escola Prática de Infantaria.  Fotógrafo «Cardoso & Correia», sito na Rua da Palma, 37, 1°, Lisboa.

Carlos da Costa Álvares, filho do Dr. José Camilo Dionísio Álvares e de Joana Mazoni da Costa, na Escola Prática de Infantaria.
Fotógrafo «Cardoso & Correia», sito na Rua da Palma, 37, 1°, Lisboa.

 

Bernardino Camilo Cincinato da Costa durante a Exposição Universal de Paris, 1900.

Bernardino Camilo Cincinato da Costa durante a Exposição Universal de Paris, 1900.

 

António Cláudio Ignácio Caetano Xavier homónimo de um outro ilustre conterrâneo, Ignácio Caetano Xavier (315), nasceu em Pangim, a 14 de Março de 1877. E nada mais sabemos, pelo que qualquer outra informação será bem vinda.

 

António Cláudio Ignácio Caetano Xavier homónimo de um outro ilustre conterrâneo, Ignácio Caetano Xavier (315), nasceu em Pangim, a 14 de Março de 1877. E nada mais sabemos, pelo que qualquer outra informação será bem vinda.

 
 
 
 

IV Centenário da Descoberta do Caminho Marítimo para a Índia. Desfile de senhoras goesas. Lisboa, 1898. Arquivo Fotográfico CMLIV Centenário da Descoberta do Caminho Marítimo para a Índia. Desfile de senhoras goesas.
Lisboa, 1898. Arquivo Fotográfico CML.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

GOESES 2

Luís Caetano Gonzaga de Menezes (1864), Médico e Delegado de Saúde do Território de Damão.

Luís Caetano Gonzaga de Menezes (1864), Médico e Delegado de Saúde do Território de Damão.

 

Major João Vicente de Sant'Anna Dias, irmão mais velho do General Miguel Caetano Dias.

Major João Vicente de Sant'Anna Dias, irmão mais velho do General Miguel Caetano Dias.

 

D. Francisco Xavier Oliveira Pegado, Capitão do Exército, natural de Panjim.

D. Francisco Xavier Oliveira Pegado, Capitão do Exército, natural de Panjim.

 

Casa na aldeia de Murdá, terra natal de Francisco Gomes da Silva, Major do Exército da India Portuguêsa.

Casa na aldeia de Murdá, terra natal de Francisco Gomes da Silva, Major do Exército da India Portuguêsa.

Os Costa, de Margão.  Orlando Costa, pai do atual Primeiro-Ministro de Portugal, é a criança mais jovem da foto.

Os Costa, de Margão. 
Orlando Costa, pai do atual Primeiro-Ministro de Portugal, é a criança mais jovem da foto.

 

A Família Quadros, 1904.

A Família Quadros, 1904.

 
 
 
 
 

 

 

 

 
 
 
 
 

GOESES 1

Senhora goesa passeando acompanhada, no Rossio. Anos 40 do século XX.

Senhora goesa passeando acompanhada, no Rossio. Anos 40 do século XX.

 

Nesta foto podemos observar D.Joana Clara Pulquéria Mazoni da Costa, neta de Constâncio Roque da Costa (018) e filha de Bernardo Francisco da Costa (017) e de Melina Mazoni, filha do professor de música italiano de D.Pedro V e mãe francesa.  Era irmã do Dr.Alfredo da Costa (003). Do seu lado, o seu marido o General-Médico José Camilo da Costa Álvares (194).   Fotógrafo «Photografia Central» de Muñiz & Martinez, Lisboa.

Nesta foto podemos observar D.Joana Clara Pulquéria Mazoni da Costa, neta de Constâncio Roque da Costa (018) e filha de Bernardo Francisco da Costa (017) e de Melina Mazoni, filha do professor de música italiano de D.Pedro V e mãe francesa.

Era irmã do Dr.Alfredo da Costa (003). Do seu lado, o seu marido o General-Médico José Camilo da Costa Álvares (194). 

Fotógrafo «Photografia Central» de Muñiz & Martinez, Lisboa.

 

Uma rapariga goesa em Lisboa, séc XIX/XX.  Fotógrafo «Coelho Mourão», R.Santa Justa, 25, Lisboa.

Uma rapariga goesa em Lisboa, séc XIX/XX.
Fotógrafo «Coelho Mourão», R.Santa Justa, 25, Lisboa.

 



Senhorita Goesa em Lisboa Anos 20/30 séc,XX Fotógrafo não identificado

68779186_1322097661290856_6229371053735411712_n.jp

Senhorita Goesa em Lisboa
Anos 20/30 séc,XX
Fotógrafo não identificado

 

67916811_1318091611691461_5804816259535077376_n.jp

Cavalheiro Goês em Lisboa

 

Cavalheiro Goês em Lisboa

014 Major BERNARDINO CAMILLO DE SANT'ANNA PACHECO (c.1822)

68719853_1323489287818360_697730266302513152_n.png

 



Natural de Margão, Goa, destacou-se como Governador de Damão.

Segundo a Lista de Antiguidades de Oficiais das Colónias Portuguesas (publicado pelo Ministério da Marinha e do Ultramar) e referida a 31 de Dezembro de 1889, o Major Bernardino Camillo de Sant'Anna Pacheco, do Quadro de Oficiais do Estado da Índia, já tinha a ordem de S. Bento de Aviz (grau de Cavaleiro), a qual terá portanto recebido anteriormente ao Regulamento de 1894, daí a insígnia não ser encimada pela Coroa Real.

Os processos destes Oficiais estão no Arquivo Histórico Ultramarino.

Bernardino Pacheco assentou praça em 16 de Junho de 1842 e já tinha 20 anos quando o fez (portanto terá nascido circa 1822).

Foi Alferes (13 de Outubro de 1852), Tenente (4 de Março de 1869), Capitão (13 de Julho de 1882) e Major (22 de Outubro de 1885),

A casa dos Pacheco, em Margão foi doada à Ordem das irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, que depois começaram o Colégio de Nossa Senhora da Apresentação em Goa (hoje uma das duas principais escolas para raparigas em Margão – em inglês é conhecida como “Presentation College” e é ainda gerido por essas irmãs).

 

em https://www.geni.com/people/Bernardino-Camillo-de-Sant-Anna-Pacheco/6000000004671406127

502 ESTADO DA ÍNDIA, A PRIMEIRA REGIÃO AUTÓNOMA PORTUGUESA

68485759_1319015911599031_886174997251358720_o.jpg



Não foi a Madeira (1976), os Açores (1895) ou o Estado do Brasil (1549/1815), a primeira Região Autónoma de Portugal. 

Foi o Estado Português da Índia, instituído em 1505.

Nem mesmo o dito Reino do Algarve, incorporado em 1240, teve alguma vez algum tipo de administração própria dedicada, para além de um Governador, nomeado entre 1573 e 1834, 

O Estado da Índia foi também aquela autonomia que mais tempo durou, 456 anos, e em maior grau.

Tinha autonomia jurídica e administrativa, senado, casa dos vinte e quatro, moeda própria, arsenal, alguma autonomia militar e financeira, entre outras coisas.

Por ele passaram 132 Vice-Reis (ou Governadores) e 34 Bispos e Arcebispos, com jurisdição sobre dioceses que iam de Moçambique ao Japão.

Teve três capitais: Cochim (1505/1510), cidade de Goa (1510/1843), e Nova Goa ou Pangim (1843/1961).

Embora territorialmente pequeno, no sentido estritamente terrestre, a sua influência era da dimensão do Oceano Índico (e parte do Oceano Pacífico), e seus muitos povos, culturas e civilizações espalhados numa área oceânica de mais de 70.000.000 de quilómetros quadrados.

O seu início foi fulgurante, e rapidamente atingiu o zénite no século XVI e XVII, após o qual assistiu a um longo e lento período de decadência e desmembramento. 

Terminou com a sua anexação em 1961, pela recente União Indiana, do que dele restava: Goa, Damão e Diu.

Nota: na gravura, os brasões do Estado Português da Índia, do Estado do Brasil, e das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores.

501 CLARE DE MENDONÇA (1910)

67763754_1311393339027955_8069528046287192064_n.jp

 



Jornalista, colunista e crítica cinematográfica no «Evening News of India» e no «Times of India», era flha do educador goês Isidoro Mendonça.

Graduou-se pelo St. Xavier's College, da Universidade de Bombaim.

Foi eleita vice-presidente da «Associação de Jornalistas de Cinema» aquando da fundação em Bombaim,1939. Compartilhou o cargo com Khwaja Ahmad Abbas, enquanto Baburao Patel foi eleito presidente. 

Na época da sua morte prematura, em 1953, Mendonça escrevia resenhas de filmes de Bollywood para o suplemento de domingo da «Times Of India», onde tinha uma grande base de leitores, tendo aí trabalhado por vinte anos.

Para homenagear a sua memória, o «Prémio Filmfare» foi inicialmente nomeado «Clare Award» quando instituído pela primeira vez em 1954.

Lê-se na foto, "The only lady journalist of the screen".

500 FRANK D'SOUZA

67650151_1311082389059050_6253233183362383872_n.pn



Frank d'Souza nasceu em Carachi, na Índia Britânica, de pais Goeses.

Estudou na St.Patrick High School, após o qual começou a trabalhar como Guarda Ferroviário na British India Railways.

Ao longo dos anos foi subindo na hierarquia até que, em 1929 foi convidado para Membro do Railway Board of India.

Foi o primeiro industânico designado para o Quadro que compreendia cinco elementos: o Comissário Chefe, o Comissário Financeiro, e três Membros, um para a Via, Oficinas, Projetos e Armazenamento, outro para Administração e Pessoal, e outro ainda para Tráfego, Transportes e Área Comercial.

Todos os Britânicos pertenciam ao Indian Civil Service (ICS). Contudo Frank d'Souza nem pertencia ao ICS, nem tinha formação universitária, pelo que a sua escolha foi inteiramente baseada no seu mérito. 

O ICS fora até a primeira Grande Guerra, um reduto dos europeus da Europa, mas a partir daí passa a incluir europeus do subcontinente e mestiços como os anglo-indianos. Frank d'Souza também não se enquadrava em nenhuma destas categorias.

Em 1947, com a independência da Índia, surge a partilha do território entre União Indiana e Paquistão. Frank d'Souza opta pela União Indiana, e vê a sua grande propriedade, denominada «Maryville», nos arredores de Carachi, confiscada ao abrigo dos tratados entre os dois jovens países.

Mas o Paquistão precisava urgentemente de um homem capaz de estabelecer uma rede ferroviária autónoma e coerente para o país. 

É aí que entra o mítico Mohammed Ali Jinnah, pai da nação paquistanesa e seu primeiro governador, que pede pessoalmente a Frank d'Souza para que volte, oferecendo-lhe a sua antiga propriedade em troca.

Frank d'Souza aceita e regressa para estabelecer o Pakistani Railways.

Finda a tarefa, retorna definitivamente para a União Indiana, e doa a sua propriedade á «Ordem das Irmãs da Misericórdia», para ser usada como lar para as freiras mais idosas. 

Esta propriedade foi também residência de um dos seus filhos, entretanto tornado padre.

 

adaptado

499 LUÍS JOÃO MASCARENHAS

67672087_1307441009423188_742376790646849536_n.jpg

Luís João Mascarenhas partiu de Goa em 1898 para o noroeste do Raj britânico a procura de trabalho.

Encontra-o no recente Porto de Carachi, mas durante os primeiros seis meses não recebeu salário.

Em 1930, trinta e dois anos depois, ascende ao cargo de Secretário do Porto daquela cidade em franco crescimento, sendo o primeiro industânico a ocupar aquele lugar.

Em 1935 recebe do Rei Jorge V, a medalha 🏅 de membro da «Most Excellent Order of the British Empire» (MBE).

Após a sua reforma em 1939, pertenceu á direcção da «Indian Life Assurance Company» e da «Catholic Colony Cooperative Society».

Ajudou a fundar a Paróquia de St.Lawrence.

Faleceu em 1972.

498 CINCINATO FABIANO DE ABREU (24/09/1862)

67236229_1304983456335610_8768167703195156480_n.jp

Expoente máximo do pioneirismo goês na Índia Britânica e no mundo, Cincinato de Abreu teve um notável percurso na então nascente Carachi, hoje uma megalópole do Paquistão com uma população de cerca de quinze milhões de habitantes. 

Tido em alta estima pelos cidadão daquela cidade, é considerado um dos doze mais influentes personagens da Província de Sind, de cuja Carachi, a principal cidade paquistanesa, é capital.

Cincinato nasceu em Saligão, Goa, filho de Manoel e Maria de Abreu.

O seu pai havia sido pioneiro na colonização da Província de Sind, para onde emigrara em 1846, logo três anos depois da conquista do território pelos britânicos. 

Ainda jovem, Cincinato é levado para Carachi onde frequenta o St.Patrick College. Porém, é obrigado a interromper os estudo aos dezasseis anos por via do falecimento do seu pai, e a procurar trabalho.

Arranja-o como balconista na «Civil and Military Gazette Press». Dois anos depois transita para a firma britânica «Forbes, Forbes and Campbell», especializada na importação e exportação comercial.

Em 1889, aos 27 anos, ingressa na sede do Comissariado de Sind como funcionário, tendo chegado a Comissário Assistente. 

Em 1895 é promovido ao cargo de Assistente Fiscal de Sukkur e finalmente, é eleito Presidente desse município. Nessa função, participa no desenvolvimento e elaboração do sistema de captação, irrigação e fornecimento de água a crescente e vibrante cidade de Carachi.

Em 1897 retorna a Carachi onde ocupa vários cargos, como Assistente Aduaneiro e Mestre de Expedição, entre outros. Torna-se Assistente na cobrança do Imposto do Sal, de grande importância e responsabilidade na época.

Foi Conselheiro do Municipal de Karachi por muitos anos, e fez uma contribuição notável para a vida cívica em Karachi, tendo chegado a Vice Presidente do município:

Foi um dos principais fundadores e contribuidores da prestigiada «Goan-Portuguese Association», futura «Karachi Goan Association».

Desempenhou um papel importante no lançamento da «Indian Flour Mills», da «Union Press» e da «Indian Life Assurance Company», da qual foi secretário por muitos anos. 

Foi um dos diretores da «Karachi Building and Development Company», responsável pelo planeamento e desenvolvimento da cidade.

Foi diretor da «Karachi Electric Supply Corporation» 

Em 1908 adquiriu cerca de 100 acres de terreno fora da cidade onde fundou com Latin Britto, seu familiar por afinidade, a «Cincinattus Town», inicialmente um reduto católico, hoje parte da zona residencial elitista do Gardens East, em Carachi, habitado maioritariamente por ismaelitas.

Reformou-se em 1917, continuando a ter uma intensa vida social. O seu sucesso, levou a que muitas famílias de Saligão tenha lhe seguido as pisadas e se instalado em Carachi.

Faleceu em 1929, antes da independência e subsequente partição da União Indiana.

497 RUI JOSÉ DA CUNHA

65838972_1289657051201584_895980708235837440_o.jpg



Presidente e fundador da «Fundação Rui Cunha», de Macau, conta mais de quarenta anos de trabalho em prol daquele território do extremo oriente. Porém o seu dinamismo tem sido bem mais profícuo, como podemos comprovar nesta biografia localizada na página da FRC. Sem dúvida, um exemplo da mundividência goesa.

 
"Nasceu em Bombaim em 1941, em virtude de em Damão, onde vivia a sua família não haver condições hospitalares. A sua cultura foi marcada pelas tradições e costumes de Portugal, transmitidos pelos seus pais e avós. 

 
Bisneto de advogado e filho de solicitador, mudou-se para Goa quando terminou o ensino básico, tendo aí completado o liceu, altura em que foi viver com a sua irmã para Portugal, num quarto alugado em Lisboa, onde frequentou a Faculdade de Direito.

 
No terceiro ano da Faculdade, uma pneumonia ocasionada pelo esforço físico, pois era jogador profissional de badminton do campeonato nacional, com 1,90 metros, de altura e 50 quilos de peso, obrigou-o a uma paragem nos estudos. 

 
Aproveitou então o tempo para tirar um curso de fotografia e cinema, o que lhe acabou por valer, pois com a anexação de Goa, Damão e Diu pela União Indiana, tinham cessado as remessas da família que sustentavam a sua sobrevivência. 

 
Transformou-se então em trabalhador-estudante, trabalhando à noite como assistente de realização na RTP, fazendo parte da equipa do realizador Fernando Frazão, e continuando de dia os seus estudos de Direito, que concluiu em 1964. 

 
Candidatou-se um ano depois a Delegado do Procurador da República, tendo sido colocado inicialmente na Covilhã, e em 1966 concorreu para Moçambique, onde foi Delegado da Procuradoria da República em Inhambane, onde ganhou a noção que a justiça tem de ser rápida, consciente, segura e contextualizada. 

 
Foi colocado em Timor-Leste entre 1969 e 1971, tendo na viagem para esta ex-colónia passado pela primeira vez por Macau.[...]

 
Em Timor-Leste a sua acção levou-o a operar uma transformação profunda no sistema prisional, ainda hoje recordada, e deu provas de que a justiça praticada com humanidade pode ser independente do poder político, qualquer que seja o regime, pois preparou e promoveu a condenação, pela primeira vez na história daquela antiga colónia, de um Administrador de Concelho oriundo de Portugal por abuso de poder. 

 
Foi também em Timor Leste que fez concurso para juiz, dando assim cumprimento ao sonho do seu pai falecido em 1956, tendo sido classificado em primeiro lugar entre os candidatos do, então, Ultramar. 

 
Escolheu então exercer em Moçâmedes, no sul da fronteira de Angola, tendo sido colocado dois anos depois em Luanda onde substituiu o brilhante magistrado Dr. Rodrigo Leal de Carvalho, bem conhecido em Macau. 

 
Com a independência de Angola regressou a Portugal, tendo sido colocado como juiz em Mafra durante um ano, passando a Juiz Auditor do 40º Tribunal Militar de Lisboa, onde a sua habitual serenidade e seriedade foram factores decisivos nos delicados processos que então lhe foram distribuídos, pois vivia-se uma época revolucionária na sequência do 25 de Abril.

 
Em 1981, por conselho e na sequência do contacto de um amigo, aceitou o convite que o Dr. Stanley Ho lhe dirigiu e rumou a Macau para exercer a actividade de advogado. 

 
Em Macau, a sua postura é bem conhecida e reconhecida, assim como o seu dinamismo na montagem de várias sociedades com diversas finalidades e pioneirismo na formação de uma sociedade de advogados, pois constituiu com o Dr. António Correia a Sociedade C&C, onde, para além do exercício de notariado privado, prestam actualmente serviço 65 empregados, entre os quais 25 advogados. 

 
Com base na Sociedade C&C, foi formado um Clube, O Clube C&C, cuja actividade cultural e até mesmo desportiva é reconhecida na sociedade de Macau. 

 
O Dr. Rui Cunha continua a exercer, a título individual, vários cargos em empresas de Macau de importância crucial para o Território de Macau."
 
 
 
 
 

496 CÂNDIDO DO CARMO AZEVEDO

66274073_1289642001203089_4579817451285381120_n.jp

Cândido do Carmo Azevedo nasceu em Damão, viveu 10 anos em Goa e conheceu Diu.

Os seus pais são naturais de Goa, antiga Índia Portuguesa, mas os seus avós vieram de Portugal. 

Para além da Índia, Cândido do Carmo Azevedo viveu dezasseis anos em Moçambique, estudou em Lisboa e esteve ainda vinte e cinco anos em Macau, onde foi professor de História da China Antiga, no Instituto Politécnico local.

Lecionou em Pequim.

Em 1988 retornou a Damão, sua terra natal onde reviveu os lugares de sua infância. Da experiência resultou o livro "Goa, Damão e Diu: Factos, Comunidade e Lazer nos Meados do Século XX" publicado em 1994, premiado com o galardão «Camilo Pessanha» para a melhor obra sobre o oriente português.

«O Lúdico na História do Oriente Português», «Romantismo e Sport em Macau e Goa na transição do século XIX para o século XX», e «Portas do Cerco : a ténue fronteira no conflito sino-japonês de 1894 a 1945» são mais algumas das suas obras. 

Recentemente regressou a Portugal, onde é professor convidado nalgumas universidades.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D